sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Horinhas de Descuido

Serendipidade: descobri essa palavra, por um acaso, na internet. Lia sobre o paradoxo do hedonismo. Resumidamente trata de que não obteríamos prazer ou encontraríamos a felicidade se estes forem os objetivos centrais de nossa vida. Ou seja, num de repente se é feliz. Por acaso nos encontramos satisfeitos e empolgados com novas situações. Diz a lenda que também por acaso o tal do Newton teria se dado conta da gravidade quando uma maçã caiu na sua cabeça. Não sei se acredito. Mas há inúmeros outros exemplos na ciência de serendipidade: o microondas, a penicilina e o post-it, por exemplo. Acredito no post-it. Não menos importante do que a gravidade(ou um sucesso por conta dela), foi fruto da serendipidade. Em entrevista à revista Exame o inventor Arthur Fry nos conta sobre a história do post-it. Um amigo havia construído uma máquina de adesivos de baixa aderência, mas não sabia como usá-la. Pois um adesivo deve colar, no caso. Logo um adesivo de baixa aderência não é lá uma coisa muito útil e deveria ser dispensado. Enfim, o Fry estava cantando lindamente no coral de sua igreja quando derrubou um dos livros de partitura no chão. Irritado por ser tão estabanado como quem lhes escreve, lembrou de seu amigo. Não, ele não aproveitou a ocasião para rezar pelo fracassado. O coral costumava marcar as músicas que cantariam colocando pedaços de papel rasgado no meio dos livros. Só que ao derrubar o material, os papéis também se espalharam pelo chão (Newton diz: séériioo?) e a bagunça já estava feita. Seria excelente se ainda no chão os papéis rasgados continuassem com o trabalho de marcar as páginas. Assim começou a desenvolver uma máquina no porão de sua casa, aperfeiçoou a ideia de seu amigo e a distribuiu pros colegas de trabalho como teste. Se arriscou. Hoje sua invenção é um sucesso. Ah, e ele deve ser milionário. O que deve ter lhe concedido muita felicidade e prazer.
Eu serendipitosamente aprendi com a palavra serendipidade que devemos sair a serendipidar por aí. Descobri a importância de treinar a minha capacidade de observação, testar novas formas de aumentar a criatividade. Arriscar é acreditar no nosso potencial. Arquimedes chamaria serendipidade de Eureka. Freud de insight. Guimarães Rosa de horinhas de descuido.


4 comentários:

  1. Interessante. Por acaso te encontrei hoje na rua e você falou desse post. Muito bom. De fato a felicidade se acha em horinhas de descuido.
    ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, por um acaso, escrevi algo conexo? Até que enfim! hahah Ah, obrigada por comentar! :)

      Excluir
  2. Desejo muita Serendipidade a você. Continue escrevendo. Seus textos são orimos. Muita reflexão... Adorei
    Beijos Jéssica Labatut

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É meu desejo para você também! Obrigada!

      Excluir